Bruno Buccolo

Como aproveitar melhor um teste de usabilidade

Usuário nervosíssimo com teste de usabilidade Esse post foi baseado numa resposta que dei no Umamão.

Não é fácil conseguir espaço para realizar um teste de usabilidade, mesmo que hajam estudos que comprovem o retorno de investimento (veja o vídeo). Por isso, precisamos extrair o máximo de proveito de nossos testes. Então compartilho alguns erros que cometi (ou vi outros cometerem) ao conduzir testes de usabilidade. A mínima distração pode causar estes erros e abaixo reflito sobre o impacto dos erros nos resultados dos nossos testes.

Conduzir (demais) o usuário

Quando o usuário empacar, ele vai te perguntar como prosseguir. É tentador responder até mesmo para não prolongar o teste, mas o ideal é aguardar em silêncio para ver como o usuário se sai sem suporte. Depois de um tempo você pode dar dicas para o usuário desempacar: "Tem algum outro jeito de navegar nessa tela?", se por exemplo ele não achou o menu que precisava para completar a tarefa. O usuário deve reconhecer por si só que terminou. Esse reconhecimento é importantíssimo, e faz parte dos 7 estágios de ação. É comum o condutor falar: "Muito bem, agora vamos para a próxima tarefa." Dessa forma nunca saberemos se o usuário ficaria travado pensando: "Já foi ?!"

Influenciar o usuário

Evite influenciar o desenvolvimento do modelo mental do usuário sobre a sua aplicação. Se ele perguntar como funciona, refaça a pergunta para ele ao invés de ensiná-lo. Assim ouviremos como o usuário acha que funciona, o que geralmente é muito valioso.

Alguns participantes são curiosos e vão perguntar: “O que acontece se eu fizer X ou Y?”. Novamente, convide o usuário a explorar seu software ao invés de ensiná-lo.

Apego ao programa

Se você participou no desenvolvimento do software prepare seu ego. Você deve aceitar o que o usuário tem para dizer, mesmo que não faça sentido do nosso ponto de vista. Se o usuário ficar frustrado, ele vai detonar o seu programa. Fique calmo, ao menos você já sabe o que está causando frustração. Melhor um participante enfurecido do que um cliente a menos.

Contexto errado

Se você desenvolver um aplicativo para escritório, não teste-o num bar (e vice-versa). Tenha em mente que você não precisa ter uma amostra perfeita do seu público-alvo para fazer um teste de usabilidade. Só não abuse: se você faz um software para mulheres, não teste com homens; se você faz um software para crianças, não teste com adultos.

O usuário é um ser humano

Deixe claro que você está testando o software com a ajuda do usuário, e não o contrário (isso é difícil). Agradeça pelo tempo do usuário dando um pequeno presente como um chocolate ou então uma graninha. Faça isso depois do teste, senão vai parecer que você está tentando adestrar a pessoa. Dar o presentinho depois também garante que ela não pegará mais leve no feedback só para te agradar. Deixe claro que a qualquer momento a pessoa pode desistir da tarefa ou do teste.

Essas dicas servem para qualquer tipo de teste de usabilidade, seja presencial ou remoto, num laboratório com sala de observação ou numa configuração mais simples. Deixe o usuário à vontade e observe muito bem suas reações. Espero que ajude!

© 2011– Bruno Buccolo (@buccolo) | Made in São Paulo ☂